Campus de Goiabeiras, Vitória - ES

História de Meios Solução de Conflitos

Código: PDIR-2001
Curso: Mestrado em Direito Processual
Créditos: 4
Carga horária: 60
Ementa: Juízes e árbitros no direito romano: do iudex aos tribunais recursais. Os juízos na ordem medieval: a pluralidade jurídica. O império da lei e o controle jurisdicional pelo Estado no Antigo Regime. A constitucionalização do Estado e a ordem liberal. Os juízes de paz na Inglaterra. Os juízes de paz na França. Os juízes de paz no Brasil. Da conciliação como dever moral à conciliação por obrigação processual. O decreto 737 e a conciliação. A conciliação nos códigos estaduais. O juiz autoritário no código processual de 1939. A conciliação no código processual civil de 1973. A constituição de 1988 e os juízes de paz. Mediação e o código processual civil de 2015.
Bibliografia: ALMEIDA, Guarino Sant’Anna Lima de et all. Argumentos de justificação para as reformas processuais; uma análise semiolinguística das exposições de motivos do Código Civil de 1939 e do Anteprojeto de Reforma de 2010. Revista de Estudos Empíricos em Direito, São Paulo, 2016, vol 3, n. 2, p. 162-182.
ANDRIGHI, Fátima Nancy. Corregedora Nancy Andrighi defende a retomada da simplicidade e informalidade nos Juizados Especiais como forma de celebrar os 20 anos da Lei 9.099/1995: depoimento. [15 de dezembro de 2015]. Brasília: Revista CNJ. Entrevista concedida em comemoração aos 20 anos dos Juizados Especiais.
ANDRIGHI, Fátima Nancy. Juiz leigo: adoção necessária nos juizados especiais. Brasília, DF, 22 jul. 2005.
ARRUDA, Samuel Miranda. O direito fundamental à razoável duração do processo. Brasília: Brasília jurídica, 2006.
ASCARELLI, Tullio. Osservazioni di diritto comparato privato italo-brasiliano. Il Foro Italiano, Itália, vol. 70, p. 97-110.
AZEVEDO, Luiz Carlos de. História do Direito: ciência e disciplina. Osasco: Edifieo, 2005.
AZEVEDO, Luiz Carlos de. Introdução a história do Direito. São Paulo: RT, 2004.
BAPTISTA, Francisco Paula. Compêndio de theoria e prática do processo civil comparado com o commercial e da hermenêutica jurídica. 8. ed. São Paulo: Saraiva, [1855]1907.
BARCELOS, Debora Ceciliotti. Do Juiz de Paz uma análise da instituição no Estado do Espírito Santo sob a luz do acesso à justiça. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito Processual Civil. Vitória, Espírito 2013.
BAYARD, Samuel. Na abstract of those laws of the United States. New York: Library of Princeton University, 1804.
BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. São Paulo: Ícone, 1995.
BOURDIEU, Pierre. A força do direito: elementos para uma sociologia do campo jurídico. In: ______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. p. 209-254.
BUZAID, Alfredo. Estudos e pareceres de direito processual civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.
CAMPOS, A. P.; SOUZA, A. O. B. . A Conciliação e os Meios Alternativos de Solução de Conflitos no Império brasileiro. DADOS - REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, v. 59, p. 271-298, 2016.
Brasileiro. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 59, n. 1, 2016. p. 271-298.
CAMPOS, Adriana Pereira et al. Juízes de Paz: primórdios de uma instituição. Curitiba: Juruá, 2017.
CAMPOS, Adriana Pereira; VELLASCO, Ivan. Juízes de Paz, mobilização e interiorização da política. In: CARVALHO, José Murilo; CAMPOS, Adriana (Org.). Dimensões da Cidadania. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.
CAMPOS, ADRIANA PEREIRA. Globalização e harmonização: a derrubada dos muros entre os sistemas de Direito. Dimensões - Revista de História da UFES, v. -, p. 7-16, 2017.
CAMPOS, Adriana Pereira. Juízes de paz no Brasil do Oitocentos: uma experiência cidadã. In FERREIRA, Fátima Moura; MENDES, Francisco Azevedo; CAPELA, José Viriato. Justiça na res publica (sécs. XIX-XX): ordem, direitos individuais e defesa da sociedade. Braga: Citem, 2011. p. 191-201.
CAMPOS, ADRIANA PEREIRA. Magistratura Eleita: administração política e judicial no Brasil (1826-1841). ALMANACK, v. s/v, p. 97-138, 2018
CAMPOS, A. P.; PERES, S. D. . Mediação escolar como caminho para a desjudicialização: potencialidades. Revista Argumentum, v. 19, p. 823-844, 2018.
CAMPOS, Adriana Pereira. SUPREMAS DECISÕES: INJUSTIÇAS NOTÓRIAS E NULIDADES MANIFESTAS (1829-1841). Revista da Faculdade de Direito - Universidade Federal de Minas Gerais, v. -, p. 17-38, 2019.
CAMPOS, Francisco. Exposição de motivos: ao código de processo civil. Rio de Janeiro, 1939.
CARVALHO, Jorge Brandão. Tensões numa comunidade rural do Baixo-Minho: Adaúfe e o seu juízo de Paz (1835-1880). Braga: Universidade do Minho, 1999.
CARVALHO, José Murilo. Cidadania: tipos e percursos. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, n.18, 1996. p. 337-360.
CAVALCANTE, Nykson Mendes Lacerda. A conciliação como instrumento de pacificação social na resolução de conflitos. 2013.
CAYRES, Nelson A. Vem ai o novo CPC. Direito em ação, Brasília, v.9 n.1, jul./dez. 2012. p. 13-46.
CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do Processo. 24 ed. São Paulo: Malheiros, 2008.
CLAVERO, Bartolomé. Princípio Constitucional: el individuo em Estado. In: Happy Constitution. Cultura y lengua constitucionales. Madrid: Editorial Trotta, 1997, p.11-29.
CODA, Alexandra. Os eleitos da Justiça: a atuação dos juízes de paz em Porto Alegre (1827-1841). Dissertação (Mestrado em História) — Programa de Pós-Graduação em História, UFRGS, Porto Alegre, 2012.
CORDEIRO, Carlos José; GOMES, Josiane Araújo. Juizados Especiais Cíveis e litígios consumeristas: necessidade de especialização jurisdicional. Revista CNJ, Brasília, v. 1, dezembro 2015, p. 36-43. 2015.
CORREA, Guilherme Augusto Bittencourt. O papel do condutor do processo -Juiz Togado, Juiz Leigo e Conciliador - no âmbito dos Juizados Especiais Cíveis Estaduais.
COSTA, Mário Júlio de Almeida. História do direito português. 5ª ed. Coimbra: Almedina, 2011.
DAVID, René. Os grandes sistemas de direito contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
DE PINHO, Humberto Dalla Bernardina. Art. 166. In: STRECK, Lenio Luiz; NUNES, Dierle; CUNHA, Leonardo (orgs). Comentários ao Código de Processo Civil. São Paulo: Saraiva, 2016.
DIDIER JR., Fredie. Curso de direito processual civil: introdução ao direito processual civil, parte geral e processo de conhecimento. 17. ed. Salvador: Jus Podivm, 2015.
DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil. 5 ed. São Paulo: Malheiros, 2005.
FERNANDES, Fátima Regina (Coord.). Identidades e fronteiras no Medievo Ibérico. Curitiba: Juruá, 2013.
FERNANDES, Fátima Regina; FRIGHETTO, Renan. Cultura e poder na Península ibérica. Curitiba: Juruá, 2003.
FERNANDES, Fátima Regina. Comentários à legislação portuguesa de Afonso III: direito material e direito processual. Curitiba: Juruá, 2000.
FERNANDES, Fátima Regina. Sociedade e poder na Baixa Idade Média portuguesa: dos Azevedo ao Vilhena: as famílias da nobreza medieval portuguesa. Curitiba: Ed. UFPR, 2003.
FERRAZ, Taís Schilling. A conciliação e sua efetividade na solução dos conflitos. Disponível em: <www.stf.jus.br/arquivo/cms/conciliarConteudoTextual/anexo/Conciliacao.doc>. Acesso em: 21 jan 2017.
FERREIRA, J. O. Cardona. Justiça de Paz. Julgados de Paz. Abordagem numa perspectiva de Justiça/Ética/Paz/Sistemas/Historicidade. Coimbra: Coimbra Editora, 2005.
FLORY, Thomas. El juez de paz y el jurado em el Brasil imperial. México: Fondo de Cultura Económica, 1986.
FONSECA, Ricardo Marcelo. A cultura jurídica brasileira e a questão da codificação civil no século XIX. Revista da fAculdade de Direito da UFPR, 2006, v. 44, p. 61-76.
GIANULO, Wilson. A demora na entrega da tutela jurisdicional. Tese (Doutorado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito, MACKENZIE, São Paulo, 2015.
GILISSEN, John. Introdução Histórica ao direito. Coimbra: fundação Calouste, 2003.
GOMES, PATRÍCIA REGINA MENDES MATTOS CORRÊA. Pensamento e ação de Joaquim Felício dos Santos: um projeto de código civil oitocentista. Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade de São Paulo (Mestrado). São Paulo: 2014.
GROSSI, Paolo. A ordem jurídica medieval. São Paulo? Martins Fontes, 2014.
GUILLAUME, Pierre (Dir.). La professionalisation des classes moyennes. Talence: MSHA, 1996.
HESPANHA, A M. (Org.). Justiça e Litigiosidade: História e prospectiva. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.
HESPANHA, Antonio Manoel. Panorama histórico da cultura jurídica europeia. Mira-Sintra: Europa-América, 1999.
HESPANHA, Antonio Manuel. O caleidoscópio do direito: o direito e a justiça nos dias e no mundo de hoje. Coimbra: Almedina, 2009.
HESPANHA, António Manuel. O Constitucionalismo monárquico português. Breve síntese. História Constitucional, n.13, 2012, p.477-526.
LANDAU, Norma. The justices of the peace, 1679-1760. London: University of Califonia, 1984.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional esquematizado. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.
MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Acesso à justiça: condicionantes legítimas e ilegítimas. São Paulo: RT, 2011.
MARINONI, Luiz Guilherme. ARENHART, Sérgio Cruz. Manual do processo de conhecimento. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.
MARQUES, Alessandra Garcia. A solução de conflitos dentro e fora do processo por meio da mediação no ordenamento jurídico brasileiro: uma necessária contribuição do pensamento de Emmanuel Levinas sobre e a alteridade para a reflexão a respeito da mediação. Revista de Direito Brasileira, São Paulo/SP, set./dez. 2016, v. 15, n. 6, p. 200-222.
MAZZEI, Rodrigo Reis. Código de Processo Civil do Espírito Santo. Vila Velha: Editora ESM, 2014.
MENDONÇA, José Xavier de Carvalho de. Tratado theorico e prático das justiças de paz. Rio de Janeiro, Garnier, 1889.
METARIE, GUILLAUME. Le monde des juges de paix de Paris (1790-1838). Paris: Loyesel, 1994.
MORAIS, José Luiz Bolzan de. Mediação e arbitração: alternativas à jurisdição. Porto Alegre: Livraria do advogado, 1999.
MOTTA, Kátia Sausen da. Juiz de paz e cultura política no início do Oitocentos (Província do Espírito Santo, 1827-1842). Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de História da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2013.
MOURA, Danielle Figuerêdo. Defensores de cabanos? A imagem dos juízes de paz em questão. Pará, 1836-1839. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS DO OITOCENTOS, 2., 2017, Rio de Janeiro. Anais do II Seminário Internacional da Sociedade Brasileira de Estudos do Oitocentos. Rio de Janeiro: SEO, 2017. v. 2, p. 7. Disponível em: <www.seo.uff.br>. Acesso em: 28 jan. 2017.
NEDER, Gizlene. Clóvis Beviláqua: redes de sociabilidade política, reconhecimento e ressentimento. R. IHGB, Rio de Janeiro, jan./mar 2017, a. 178, n. 473, p. 125-156.
NEVES, Edson Alvisi. Magistrados e negociantes na Corte do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Jurídica do Rio de Janeiro, 2008.
PELUSO, Antonio Cesar. Discurso de posse na Presidência do Supremo Tribunal Federal. Supremo Tribunal Federal – Secretaria de documentação, 2010. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/discursoPeluso... >. Acesso em 31 ago 2017.
PETIT, Jacques-Guy. Une justice de proximité: la justice de paix 1790-1958. Paris: PUF, 2003.
PONCIANO, Vera Lúcia Feil. Morosidade do poder judiciário: prioridades para a reforma. Revista Scientia Iuris, Londrina, n. 11, p. 209-226, nov. 2007.
POUMARÈDE, Jacques. Histoire de la conciliation.
RIBAS, Antonio Joaquim; RIBAS, Júlio Adolpho. Consolidação das leis do processo civil. Rio de Janeiro: Dias da Silva Junior, 1879.
RIBEIRO, José Silvestre. Resoluções do Conselho de Estado da secção do contencioso administrativos colligidas e explicas por José Silvestre Ribeiro. Lisboa: Imprensa Nacional, 1855. Tomo III.
SALES, José Roberto da Cunha. Tratado da praxe conciliatória ou teoria e prática das conciliações e da pequena demanda. Rio de Janeiro: Nicolau d’Oliveira, 1879.
SHAPIRO, Martin; Sweet, Alec Stone. On law, politics and judiciliazation. New York: Oxford, 2002.
SILVA, Nuno J. Espinosa Gomes. História do Direito Português: fontes de direito. 2ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1991.
SLEMIAN, Andréa. Sob o império das leis: Constituição e unidade nacional na formação do Brasil (1822-1834). São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2009.
SOUZA, Alexandre de Oliveira Bazilio de. Das urnas para as urnas: o papel do juiz de paz nas eleições do fim do Império (1871-1889). Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em História da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2012.
SOUZA, Michele Faria de; GANDRA, Kelly Cristine de Campos. A crise do judiciário e a mediação como uma forma alternativa para resolução de conflitos familiares. Revista de Direito Brasileira, [S. l.], set. 2013, v. 4, n. 3, p. 561-591.
TARUFFO, Michele; MITIDIERO, Daniel. A justiça civil – da Itália ao Brasil, dos Setecentos. São Paulo: RT, 2018.
TENENBLAT. Limitar o acesso ao Poder Judiciário para ampliar o acesso à justiça. Revista CEJ, Brasília, a. XV, n. 52, jan./mar. 2011, p. 23-35.
TUCCI, José Rogério Cruz e. Lições de história do processo civil romano. São Paulo: RT, 2004.
WEINRIB, Ernest J. Legal formalism: on the immanent rationality of law. Yale Law Journal, y. 97, p. 949-1016, 1988.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910